Porquê cookies? (Com receita!)


Era natal. Ano 2000.


No auge dos meus 6 anos de idade sinto as papilas degustativas explodirem. Junto a elas, um certo cheiro misterioso cuja atração me faz procurar até hoje algo parecido. Eu não fazia ideia o que significava sinestesia, mas me peguei achando que sabia o que era amor.


Pasmem: experimentava o primeiro cookie da minha vida.


Digo que era o primeiro porque realmente constitui uma lembrança. Jaz na família um mito de que quando criança com 4 anos saí engatinhando para a casa do vizinho e fui descoberto com as mãos na jarra de biscoito. Dessa não lembro,mas nem por isso deixa de ser verdade: a barriga é argumento contrário.


De todo modo, resta a lembrança daquele natal, daquele cookie, daquele cheiro, da vovó Gisela em frente ao forno falando em alemão que comer biscoito quente faz mal. Hoje a vovó já é também parte do acervo de memórias tendo deixado, além de muito carinho e ternura,receitas de biscoito que hoje quero compartilhar.


Então,para fazer o melhor cookie de natal do mundo (vegano!) é fácil:

-4 colheres de sopa de açúcar mascavo

-3 colheres de sopa de açúcar refinado orgânico

-3 colheres de sopa de óleo vegetal

-8 colheres de sopa de farinha de trigo

-1/2 colher de chá de fermento

-Chocolate amargo em pedaços rústicos

-4 colheres de sopa de leite de amêndoas


Colocar no forno a 180 - 200 graus celsius por aproximadamente 8-10 minutos dependendo do molde. E como a vovó dizia: deixar esfriar!


Enquanto esfria, o coração e o peito esquenta de vontade. Mas vale a pena! E bom, tanto o momento quanto as memórias ficam para contar histórias. As minhas guardo na mente com todo cuidado :).


Tem alguma história? Vou adorar escutar! Só mandar mensagem.


Um beijo!


5 visualizações
Rua São Valentim, 32, Praça da Bandeira -- 20260-110,  Rio de Janeiro, RJ, Brasil
© Verdelícia 2020