Qual é a diferença entre veganismo e vegetarianismo?

Mas afinal, qual é a diferença entre veganismo e vegetarianismo? Essa pergunta é uma espiral: ela se repete, repete, repete e...repete. E a gente (vegano) entende, é compreensivo, damos tempo, mas, traçando um paralelo, é basicamente como confundir um japonês com um chinês: pra quem tá de fora, pode até parecer igual, mas pra quem tá de dentro, não tem nada haver.


Não é pra encher seitan ou preencher página, mas vamos começar do início e falar de como e quando começaram as dietas veganas e as dietas vegetarianas para explicar a diferença entre ambas. Vamos lá:


O vegetarianismo, isso é, fundamentalmente, uma dieta que exclui o consumo de todos os tipos de carne de animal, teve como precursor histórico o movimento de separação religiosa na Índia. Até dado ponto, o sacrifício animal era parte ritualística da casta brâmane e que causava, por inúmeras razões, um desconforto excepcionalmente grande para uma parte grande da população que, insurgidos, se rebelaram contra e deram início ao janaísmo e o budismo, por exemplo, que pregavam a não-violência (Ahimsa).


Mais à frente, 570 a.C, o filósofo Pitágoras,de uma forma muito curiosa, inaugura na sua academia de filosofia o pré-requisito do vegetarianismo alegando que: "“Enquanto o ser humano for implacável com as criaturas vivas, ele nunca conhecerá a saúde e a paz ". Ficou conhecida, a partir daí, a dieta pitagorica que até meados do século XIX seria sinônimo de vegetarianismo. A palavra dieta, vale-se destacar, entra no vocabulário com pitágoras e, diferente de hoje, significava estilo de vida. A sua dieta, para Pitágoras, é seu estilo de vida.





O vegetarianismo, nesse sentido, sempre esteve presente no nosso âmbito social e sempre fora associado (deturpadamente) como uma prática de restrição de si com uma finalidade espiritual. Contemporaneamente, o movimento ganhou muitas forças principalmente a partir do ''flower power'' de 1970-80 onde derivaram e ganham notoriedade diferentes correntes de vegetarianismo, como o ovolacto, lactovegetariano, vegetarianismo estrito e o veganismo.


Os tipos de vegetarianismo seguem, vamos dizer assim, uma lógica de ''restrição gradual'' (a palavra restrição não é certa, alguém tem uma melhor?). Isso é, cada etapa, pula fora alguma coisa da sua vontade de consumir. Então, o ovolacto come basicamente de tudo, menos carne. O lactovegetariano exclui também os ovos até chegar ao vegetarianismo estrito que exclui todos os derivados.


De forma mais específica, o veganismo segue a diretriz pitagórica: dieta é um estilo de vida. O inglês Donald Watson que, já em 1944, em meio a segunda guerra mundial, cunha o termo ''vegan'' como uma abreviação de VEGetariANism", e declara na recém criada Vegan Society que:


“O veganismo é uma forma de viver que busca excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e de crueldade com animais, seja para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade.

Dos ‘veganos junk food’ aos veganos crudívoros – e todos mais entre eles – há uma versão do veganismo para todos os gostos. No entanto, uma coisa que todos nós temos em comum é uma dieta baseada em vegetais, evitando todos os alimentos de origem animal, como: carne, laticínios, ovos e mel, bem como produtos como o couro e qualquer produto testado em animais.”


Os veganos, portanto, diferente dos vegetarianos adotam um estilo de vida, uma dieta para todas particularidades da vida - não só em relação à sua alimentação. Hoje em dia, os nomes e suas respectivas classificações tão cada vez com uma linha tênue menor. É super importante, ao ver um produto vegetariano ou um produto vegano, realmente verificar se aquela empresa faz jus à categoria plant based ou se é uma mera ferramente mercadológica.


O que mais me chama atenção enquanto vegano, é o quanto os restaurantes confundem essas classificações e chamam um monte de coisa de doce vegano, hamburguer vegano, pizza vegana, PF vegano, mas que não sabem que a farofa não deve levar manteiga, o hamburguer não levar queijo e o doce não levar leite.


Então...todo cuidado é pouco, mas vale ressaltar: no fundo, vegetariano, vegano tem uma espinha dorsal em comum, que é o respeito ao próximo, seja ele humano ou animal. E, ainda mais, precisamos sempre respeitar a opção do outro, seja ela qual for, a vontade é sempre individual e o processo singular.


Um grande abraço e bom domingo para todos,

Jan :)

56 visualizações
Rua São Valentim, 32, Praça da Bandeira -- 20260-110,  Rio de Janeiro, RJ, Brasil
© Verdelícia 2020